Onde você está:

Como fazer uma transferência de moto? [Guia completo 2021]

Oi, motorista! Tudo bem?
Imagine só: você realiza o sonho de ter a sua própria moto, compra o veículo usado, mas descobre que é necessário fazer a transferência de moto para o seu nome. E então várias dúvidas começam a aparecer: quais documentos são necessários? Quem deve pagar pelas taxas? Quanto custa? Qual o prazo?
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on facebook

Se você também está se perguntando como fazer uma transferência de moto, não se preocupe! Hoje eu, Gringo, vou explicar melhor como funciona esse processo, passo a passo.

Como transferir uma moto para outra pessoa?

Antes de saber onde e como fazer uma transferência de moto, vamos conhecer algumas condições importantes. Você sabia, por exemplo, que toda transferência deve ser feita em até 30 dias após a data de venda? Caso o novo proprietário ultrapasse esse prazo, ele corre o risco de receber uma multa grave e 5 pontos na CNH.

Você sabia que no aplicativo da Gringo é possível fazer a transferência do seu veículo sem burocracia? Baixe o app e experimente 🙂

Saiba quais são as condições necessárias para transferência de moto no Detran:

  • Para realizar uma transferência de moto não pode existir restrições judiciais e administrativas sob o veículo. Ou seja: antes de comprar uma moto de outra pessoa, recomendo checar se não há pendências na justiça, e assim evitar futuros problemas e dores de cabeça.
  • É preciso que a moto seja registrada no mesmo município de residência do novo proprietário. Caso mude de local, os dados devem ser atualizados com o endereço atual.
  • Antes de transferir uma moto para outra pessoa, não se esqueça de conferir se o veículo está com o licenciamento em dia. Caso o mesmo não tenha sido realizado, seguindo o prazo estipulado do calendário, uma taxa será adicionada ao valor de transferência.
  • Além de restrições judiciais, o novo proprietário deve estar atento a possíveis débitos atrasados, como: multas, IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) e seguro DPVAT. Está tudo ok e quitado? Então é hora da transferência!

Com o app da Gringo você consegue conferir todas as multas e débitos pendentes, sem dor de cabeça. Baixe e se cadastre! É simples e rápido.

Como fazer uma transferência de moto em 6 passos

Agora que já apresentei as principais exigências, vou te falar como fazer uma transferência de moto:

1. Antes de transferir uma moto, o vendedor e comprador devem apresentar o CRV (Certificado de Registro do Veículo) ao Detran, com todos os dados preenchidos e assinados, além de firmas reconhecidas. 

Vale prestar atenção nos mínimos detalhes, já que este é o primeiro passo para transferência de moto. Não se esqueça que o prazo para essa etapa é de 30 dias após a venda do veículo.

2. Comunicar ao Detran que o veículo foi vendido. Essa etapa não é considerada essencial no processo de transferência de moto, mas traz mais segurança ao vendedor e ao comprador. Isso porque, em caso de multa ou infrações de trânsito (independente do infrator), o antigo dono continua responsável pelo veículo até a transferência estar completa.

3. Depois de preencher o CRV, você deve acessar o site do Detran, segundo o seu Estado, e preencher o formulário de transferência. Ao imprimir o documento, não se esqueça do DAE ( Documento de Arrecadação Estadual), referente a taxa de transferência. A maior parte dos Estados libera o pagamento via Renavam no sistema bancário conveniado.

4. Após quitar todas as taxas de transferência, faça a vistoria da sua moto para conferir se há algum problema técnico. Apesar de ser o quarto passo, essa etapa é essencial ao processo como um todo. Dê preferência à vistoria e evite futuros problemas, como chassis adulterados, por exemplo.

Dependendo do local, essa etapa é realizada apenas em empresas credenciadas pelo Detran. 

5. Finalizou a vistoria? Agora é hora de entregar todos os documentos para o Detran e torcer os dedos. Não se preocupe, confira se há algum erro de digitação no documento, pendências que passaram despercebidas e, principalmente, tente resolver tudo antes do período de 30 dias se esgotar.


6. Ao entregar os documentos necessários, o Detran analisa a papelada por um período. Você consegue acompanhar o processo online, sem sair de casa, através do portal. Se aprovado, o novo proprietário deve buscar o CRV e CRLV (Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo), agora devidamente atualizados.

Documentos necessários para transferência de moto

Durante o processo de transferência de moto, é comum ficar na dúvida sobre quais documentos são necessários, certo? Pensando nisso, separei uma lista de documentos para transferência de moto completa para te ajudar:

  • Documento de identificação pessoal (RG, por exemplo) e Cadastro de Pessoas Físicas (CPF)
  • Comprovante de endereço (atualizado) do comprador ou parente de 1º grau
  • CRV já preenchido, com firma reconhecida por vendedor e comprador (frente e verso)
  • Comprovante de pagamento de débitos pendentes (se houver)
  • Laudo de vistoria aprovando o veículo

Quanto custa para fazer uma transferência de moto (2021)?

O valor da taxa, atualmente, em São Paulo, é de R$ 212,60. Mas atenção, motorista: esse valor é para veículos com licenciamento em dia. Caso não esteja com os débitos quitados, o valor aumenta para R$ 306,47. 

Além disso, caso a moto precise de um estampamento de placas, o comprador deve consultar a empresa credenciada sobre os valores e opções de pagamento.

Quem paga a transferência de moto?

Apesar de não haver uma regra definida, é esperado que o comprador efetue o pagamento da transferência de moto, além dos possíveis custos (como emplacamento, licenciamento, etc). 

Para evitar algum mal-estar entre vendedor e comprador, ambas as partes podem entrar em um consenso e, quem sabe, até mesmo dividir as despesas.

Quanto tempo demora para fazer a transferência?

O prazo máximo para transferir uma moto de um proprietário para outro é de 30 dias. Esse período pode parecer muito longo e demorado, mas acredite, não é. O processo de transferência vai depender muito de diversos fatores: documentos em dia, débitos do veículo, Detran, licenciamento, etc. Quanto antes essas questões estiverem resolvidas, melhor.

O que acontece se não transferir a moto?

Com a chegada da pandemia este ano, um novo regulamento foi estipulado em março, que isenta a penalidade para aqueles que não regularizaram a transferência do veículo. Apesar disso, a lei pode ser revogada a qualquer momento, ou seja: é necessário atenção.

Mas vale estar atento às mudanças conforme o Detran da sua região. O serviço está retomando aos poucos, assim como as penalidades para infratores.

Normalmente, quem não transferir o veículo no prazo de 30 dias pode receber uma infração grave, além de multa de R$ 195,23. E, possivelmente, a retenção da moto até que seja regularizada.

Transferência de moto na pandemia

Com a chegada do novo coronavírus no Brasil, algumas mudanças aconteceram no país. Até mesmo um ‘superrodízio’ foi criado em São Paulo para evitar aglomerações e contribuir com o isolamento social. 

Mas outra dúvida que surgiu entre os motoristas é: como fazer uma transferência de moto na pandemia?

Algumas unidades do Detran realmente entraram em pausa no início da quarentena, mas aos poucos foram retomando os serviços. Ainda que limitado, dependendo da sua localização, existe a possibilidade de ir até o Detran e realizar os processos de transferência de moto. 

O serviço também pode ser feito online – em partes, com idas limitadas ao Detran.

Este conteúdo faz parte da missão da Gringo, de simplificar a vida do motorista Brasileiro. Saiba mais sobre os nossos serviços e a nossa história.

Resumo:

Então vamos recapitular?

A transferência de uma moto pode ser feita através do portal Detran.SP ou presencialmente em qualquer unidade da empresa.
O processo de transferência pode ser feito em 6 passos, desde que o veículo não tenha débitos em pendência ou mesmo infrações na justiça.
Os passos são:
1. Entrega do CRV (Certificado de Registro do Veículo) preenchido por ambas as partes – comprador e vendedor. Além de firmas reconhecidas.
2. Comunicar ao Detran sobre a venda do veículo.
3. Preencher o formulário de transferência, também disponível no portal da empresa. Imprimir o documento, além do DAE (Documento de Arrecadação Estadual), referente a taxa de transferência.
4. Realizar uma vistoria da moto para conferir se a mesma conta com algum problema técnico. Em alguns locais, apenas em empresas credenciadas pelo Detran realizam esse serviço.
5. Confira toda a papelada e entregue todos os documentos para o Detran.
6. Se aprovado, o novo proprietário deve buscar o CRV e CRLV (Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo), agora devidamente atualizados.
– Documento de identificação pessoal (RG, por exemplo) e Cadastro de Pessoas Físicas (CPF);
– Comprovante de endereço (atualizado) do comprador ou parente de 1º grau;
– CRV e CRLV já preenchidos, com firma reconhecida por vendedor e comprador (frente e verso);
– Comprovante de pagamento de débitos pendentes (se houver);
– Laudo de vistoria aprovando o veículo.
O valor da taxa, atualmente, em São Paulo, é de R$ 212,60. Mas, caso não esteja com o licenciamento em dia o valor aumenta para R$ 306,47.
O prazo máximo para transferir uma moto de um proprietário para outro é de 30 dias.
Apesar de não haver uma regra definida, é esperado que o comprador assuma os custos da transferência de moto, além dos custos adicionais (como emplacamento, licenciamento, etc).

O que achou do artigo?

Assine para receber conteúdos semanais exclusivos do Gringo.

Ao assinar a newletter, eu declaro que conheço a Política de Privacidade e autorizo o uso das minhas informações pela Gringo.

Assine para
receber
conteúdos
exclusívos.

E-mail