Onde você está:

Placa Mercosul: entenda as mudanças para fazer o emplacamento Mercosul

As placas Mercosul, são basicamente um padrão adotado por países do bloco Mercosul, com um aumento de combinações, e uma mudança estética e funcional das anteriores. A troca das placas precisa ser feita para veículos novos, com placa anterior danificada ou perdida, veículos que trocaram de categoria ou mudaram de município.

E aí, motorista. Tudo bem?

Vamos combinar que a nova placa Mercosul veio a algum tempo, mas ainda não estamos 100% seguros dela, né? Ainda tem muita dúvida no ar, por exemplo, todo mundo é obrigado a trocar? Ela é tão cara quanto parece? Quem faz esse serviço é o Detran?

A verdade é que, mesmo já rodando desde janeiro de 2020, esse assunto pode não ser tão claro quanto deveria. Por isso, eu vim aqui te explicar melhor.

Mas, Gringo, o que são, afinal, as placas Mercosul?

Basicamente, são um padrão de placas adotados por países do bloco Mercosul, com um aumento de combinações, e uma mudança estética e funcional das anteriores, como adição de uma letra, subtração de um número, e um novo QR code de consulta. Então, se você for um viajante em países como Argentina, Uruguai, Peru ou Paraguai, por exemplo, vai se deparar com emplacamento Mercosul padronizado, com diferenças nos detalhes, como a ordem dos caracteres ou marca d’água.

As novas placas Mercosul são brancas, com uma faixa azul em cima. Como na imagem abaixo. Além disso, elas contam com um QR code que pode ser escaneado por qualquer cidadão que tenha cadastro no Denatran. O código serve para consultar informações sobre o veículo e o condutor. Legal, né?

Placa Mercosul - exemplo de placa

Como funciona a sequência e cores das placas Mercosul?

Vamos começar pelas cores. Apesar do padrão ser azul e branco no fundo, as placas novas terão sim a distinção de cores, como as antecessoras. O que difere é que apenas os dígitos são coloridos. Seguindo essa lógica:

  • Preto: Veículos particulares, como sua motoca e seu carro.
  • Vermelho: Veículos comerciais, como táxis, coletivos e caminhões. 
  • Azul: Veículos oficiais, por exemplo, representantes diplomáticos, cônsules, e representantes internacionais. 
  • Verde: Veículos especiais. Aqueles usados em testes, test-drive.
  • Laranja: Diplomáticos. 
  • Cinza: Veículos de colecionadores. 

Além das cores, as sequências de dígitos também estão diferentes.

Agora, existe uma letra a mais, e um número a menos. Além disso, o espaço que ficava entre os dígitos não existe mais. 

Essa mudança não foi por acaso, graças a ela, agora é possível fazer 450 milhões de novas combinações. Matemática muito bem vinda, visto o aumento de veículos rodando no país. Anteriormente, só eram possíveis 175 milhões de combinações. Uma grande diferença, né?

Serão mantidos os setes caracteres, divididos em quatro letras e três números. Fora isso, as letras e números não seguirão mais aquela organização de letras à direita e números à esquerda. Agora estão embaralhados, o que permite mais combinações. Aqui no Brasil, a sequência é AAA1A11, ou seja, três letras seguidas, um número, uma letra e mais dois números seguidos. 

Para os veículos que já têm a placa antiga e precisam mudar, terão um dos números substituídos por letras, seguindo a ordem do alfabeto. 

Por exemplo:

  • A = 0
  • B = 1
  • C = 2
  • D = 3
  • Até chegar no J = 9.

Então, a placa que antes era ABC 1234, deve ser substituída por ABC1C34. Deu para entender certinho? Se ficou alguma dúvida sobre a sequência da placa nova Mercosul, comenta aqui embaixo e os nossos gringos respondem você.

Gringo, quem precisa trocar a placa para Mercosul?

Ao contrário do que muita gente pensa, não são apenas os novos veículos que têm a nova placa Mercosul.

A lista é um pouco mais extensa. Vou explicar:

  1. Novos veículos: veículos 0km são obrigados a terem o primeiro emplacamento com a nova placa Mercosul, mesmo que o proprietário prefira a antiga. 
  2. Veículos com a placa anterior danificada ou ilegível: não só no sentido de estar ilegível, mas também se o lacre estiver danificado, é necessário que o proprietário troque de placa o mais rápido possível.  
  3. Veículos que trocaram de categoria: Por exemplo, carros particulares que viraram táxis, veículos usados para aluguéis, vans de comércio que viraram motorhome, ou situações semelhantes. Todos esses devem buscar mudança de placa para Mercosul.
  4. Veículos que mudaram de município ou Estado: Mesmo que seja do mesmo proprietário ou proprietária, ok? Se você mudou de município oficialmente, seu veículo também deve mudar a placa, e essa mudança deve ser para o padrão Mercosul.
  5. Veículos com placa roubada, extraviada ou furtada: Esse é mais básico, você não tem mais a placa, se vai precisar refazer, que seja no novo modelo, né? 

Os casos que citei acima, são obrigados a alterar a placa para a Mercosul, mas qualquer cidadão que queira a nova placa, pode pedir a mudança voluntariamente.

Um ponto importante é que ainda não foram todos os Estados do país que adotaram o novo sistema de placas, portanto, verifique no Detran mais próximo como funciona aí onde você mora.

Aos demais condutores, a troca ainda não é obrigatória, mas isso pode mudar a qualquer momento, então fique de olho aqui no blog do Gringo, no nosso canal do YouTube, e nas redes sociais @ChamaoGringo, que te deixamos atualizado(a) de qualquer mudança.

Onde trocar a placa Mercosul?

Não apenas as placas mudaram, como também o processo de solicitação delas. 

O que antes era feito pelo Detran, com a emissão do CRV, autorização de produção da placa e pagamento da taxa, agora, não envolve mais o departamento. 

O CRV (Certificado de Registro de Veículo) é emitido pelo Detran, como antes, e o Departamento Nacional de Trânsito, o Denatran, recebe a notificação de autorização da confecção da placa.

O proprietário ou proprietária do veículo recebe essa autorização e então deve procurar o fornecedor de estampagem de sua preferência para iniciar a confecção. É importante lembrar que este fornecedor precisa ser credenciado pelo Detran.

A melhor forma de garantir que escolheu um fornecedor seguro, é verificar no site do Detran da sua cidade se ele é cadastrado mesmo. 

Quando a placa for entregue ao proprietário, basta instalá-la assim como era feito anteriormente. Apesar de não parecer, ambas as placas têm o mesmo tamanho, então não é necessário nenhuma adaptação no seu veículo, ou aquisição de peças específicas.

Quanto custa para fazer as novas placas Mercosul?

Por mais que muita gente ainda tenha resistência, a boa notícia é que a placa Mercosul não é mais cara que a anterior. 

Na verdade, não existe um preço tabelado, cada fornecedor pode precificar da sua forma, entretanto, os Detrans costumam aplicar um teto sobre este valor, para que não haja nenhum abuso ou preços estrondosos. 

Apesar disso, pesquisas foram feitas e não aparenta ter muita diferença entre o fornecedor A e o fornecedor B, por isso, não aconselho que perca tanto tempo buscando e orçando o melhor preço. 

O teto depende de Estado para Estado, em São Paulo, por exemplo, a máxima é de R$138 para carros e veículos maiores e R$115 para motocicletas. Em alguns Estados, o preço pode ser muito maior, chegando próximo a R$500, como é o caso do Amapá. 

Eu posso escolher os dígitos da minha nova placa?

Sim! Quando o motorista for comprar um veículo zero quilômetros, ele recebe uma lista de 20 sequências disponíveis, das quais pode escolher sua preferida, neste caso, não há nenhuma taxa extra.

Aos que querem personalizar sua placa, independente da lista dos 20 disponíveis, há uma taxa extra de R$91, fora a taxa de emplacamento normal. Mas lembre-se, só é possível seguir com a personalização escolhida se não houver nenhum veículo com essa combinação ainda.

Vale lembrar também que a personalização não pode sair do padrão de sequência definido, ou seja AAA1A11, ok? Sequência de três letras, um número, uma letra, e dois números.

Ainda não há sequências proibidas, aquelas engraçadinhas que formam palavrões ou coisas do tipo, sabe? Mas o Detran já anunciou que estuda mudar isso em algum momento. 

Ficou alguma dúvida? comente aqui embaixo com a #ChamaoGringo que nós te respondemos!

 

Este conteúdo faz parte da missão da Gringo, de simplificar a vida do motorista Brasileiro. Saiba mais sobre os nossos serviços e a nossa história.

Resumo:

Então vamos recapitular?

Basicamente, são um padrão de placas adotados por países do bloco Mercosul, então, se você for um viajante em países como Argentina, Uruguai, Peru ou Paraguai, por exemplo, vai se deparar com placas padronizadas, com diferenças nos detalhes. As novas placas Mercosul são brancas, com uma faixa azul em cima e contam com um QR Code.
O que difere é que apenas os dígitos são coloridos. Preto: Veículos particulares. Vermelho: Veículos comerciais. Azul: Veículos oficiais. Verde: Veículos especiais. Laranja: Diplomáticos. Cinza: Veículos de colecionadores. Agora, existe uma letra a mais, e um número a menos. Serão mantidos os setes caracteres, divididos em quatro letras e três números. A sequência é AAA1A11. Já os veículos que já têm a placa antiga e precisam mudar, terão um dos números substituídos por letras, seguindo a ordem do alfabeto. A=0, B=1, C=3, até chegar no J=9.
– Novos veículos. – Veículos com a placa anterior danificada ou ilegível. – Veículos que trocaram de categoria. – Veículos que mudaram de município ou Estado. – Veículos com placa roubada ou extraviada. – Qualquer condutor que quis mudar voluntariamente. – Certifique-se que seu Estado já adotou o novo sistema de placas.
O CRV (Certificado de Registro de Veículo) é emitido pelo Detran, e o Departamento Nacional de Trânsito, o Denatran, recebe a notificação de autorização da confecção da placa. O proprietário ou proprietária do veículo recebe essa autorização e então deve procurar o fornecedor de estampagem de sua preferência para iniciar a confecção. É importante lembrar que este fornecedor precisa ser credenciado pelo Detran.
Não existe um preço tabelado, cada fornecedor pode precificar da sua forma, entretanto, os Detrans costumam aplicar um teto sobre este valor. O teto depende de Estado para Estado, a placa Mercosul em SP, por exemplo, a máxima é de R$138 para carros e veículos maiores e R$115 para motocicletas. Em alguns Estados, o preço pode ser muito maior, chegando próximo a R$500, como é o caso do Amapá.
Sim! Quando o motorista for comprar um veículo zero quilômetros, ele recebe uma lista de sequências disponíveis, das quais pode escolher sua preferida. Ou pagar uma taxa de R$91 e personalizar da forma que quiser, desde que dentro da sequência padrão definida.

O que achou do artigo?